Leve x pesado

Imagine aquela pessoa que se orgulha de não ser materialista, que tem horror a mesquinharias e raramente fala sobre dinheiro, especialmente à mesa. É uma pessoa leve, alto astral, que sempre acredita que as coisas vão melhorar. Prefere assuntos agradáveis e boas notícias, adora humanas e odeia matemática. Não procura problemas, evita conversas pessimistas, irrita-se com gente que fica falando o que ela não pode fazer. É do tipo que segue o coração, que afirma que pessoas são mais importantes do que coisas e para certos assuntos não se faz conta. É a alegria da festa e sempre topa um programa de última hora. Está sempre ligada no que realmente importa na vida e o dinheiro não compra – o lado espiritual e humano – nunca no material. Algumas decisões mais racionais ela vê como vender a alma ou ser uma pessoa fria. Orçamento prende, lucro é pecado, economistas são tensos, financistas são medrosos e economizar não resolve.

Corta para 20 anos depois. Na vida adulta, ela tem dependentes e contas para pagar, passou por crises financeiras e altos e baixos na carreira como a maioria de nós. Ela não quis administrar o dinheiro e hoje administra dívidas. Ela não planejou a aposentadoria e agora tem perspectiva de uma velhice difícil. É refém das contas que não gostava de fazer, é obrigada a calcular e recalcular cada passo. Os cortes no orçamento dos quais tanto fugiu a alcançaram e a obrigaram a escolher que contas não pagar, agora com menos liberdade. O dinheiro que desprezava é de “quem” ela muitas vezes passa dias correndo atrás. As pessoas a quem ela realmente valoriza foram prejudicadas direta ou indiretamente pelas suas dívidas. Os graves problemas financeiros abalaram os relacionamentos, o sono, a saúde, a reputação, autoestima e até a fé, por sentir-se culpada, revoltada e impotente ao mesmo tempo. Ironicamente, quem era tão leve e se alegrava com isso, hoje é uma pessoa pesada e tensa. Quem não queria prender-se a planos e limitações, hoje não consegue voar.

Ficção baseada em fatos reais, coisas que já vi e ouvi inúmeras vezes. Não dá para ser tão desligado de dinheiro assim, a não ser que você esteja disposto a largar tudo dos tempos atuais e da vida comum. Organize as finanças começando hoje!

Andréa Voûte

(imagem free de Jenelle Ball para Unsplash)

Equilíbrio do equilíbrio

Eu considero as palavras “tudo”, “nada”, “nunca” e “sempre” pesadas, da mesma forma que fica estranho colocar “meio”, “talvez” ou “mais ou menos” em todas as frases. Muitas pessoas acreditam ser importante ter equilíbrio em tudo, mas vamos pensar como seria o equilíbrio do equilíbrio. Soou desequilibrado para você?

Se eu pegar um sonho e transformá-lo em meta, focando meus recursos nela, há grandes possibilidades de ele ser atingindo. Dedicação e persistência são qualidades que ajudam a realizar coisas e isso costuma trazer muitos benefícios. No entanto, algumas situações exigem um desvio, uma adaptação, um momento multitarefa. A meta pode tornar-se impossível ou inadequada. De qualquer forma, toda experiência é válida.

Neste mundo competitivo, fazer as coisas pela metade pode causar muitas perdas e muitos danos. Trabalhar em algo que não sabemos fazer, por exemplo, toma um tempo enorme e gastamos muita energia para obter um resultado que, com certeza, será medíocre e, quem sabe, poderá até nos custar o emprego. Há certos tipos de trabalho em que não podemos errar e tudo precisa ser perfeito ou é melhor nem começar.

Da mesma forma, relacionamentos superficiais ou frios podem causar mais brigas do que alegrias, mais traições do que lealdade e mais obrigações do que prazeres. Algumas situações de relacionamento pedem entrega e amor incondicional, outras pedem respeito e moderação e há as que pedem distância e rupturas. E isso nem sempre está sob controle.

Ser sério, sem dúvida, é muito importante, mas há também os momentos em que podemos relaxar um pouco para que as preocupações não se tornem neuroses. A rigidez constante faz tão mal quanto a irresponsabilidade.

Ter fé aumenta nossa qualidade de vida, se comparada à vida de alguém totalmente incrédulo, desde que essa fé não ultrapasse a linha do fanatismo. O concreto e o cientificamente comprovado são fundamentais para o mundo.

Gastar e consumir, nem demais nem de menos. Ambição na medida certa. Risco do tamanho da sua tolerância. Generosidade sem facilitar abusos. Precisamos prestar atenção em nosso comportamento financeiro, testando e buscando.

Portanto, “equilíbrio do equilíbrio” é saber dosar as coisas, sejam elas quais forem, de acordo com você e com a situação que se apresenta. Alguns chamam de equilíbrio a alternância entre um extremo e outro, alguns escolhem sempre o meio, sendo radicais na moderação…

Para certas coisas eu sou radical assumida, em outras tenho equilíbrio e o maior desafio é lutar contra o desequilíbrio, quando acontece o extremo no momento que deveria ser ameno e vice-versa.

foto de Ruslan Z H para Unsplash

Andréa Voûte

Para onde os seus impulsos estão te levando?

Adiar a gratificação é um dos segredos do sucesso, comprovado por um famoso estudo da universidade Stanford com crianças de 4 anos: elas ficaram sozinhas em uma sala com um marshmallow, sabendo que se conseguissem esperar 15 minutos para comê-lo, ganhariam mais um e depois poderiam comer os dois. Apenas 1/3 das crianças resistiu à tentação e elas obtiveram 100% de retorno pelo sacrifício de esperar 15 minutos, ou seja, “patrimônio” dobrado. Quando foram verificar a vida dessas crianças quinze anos depois, todas estavam melhor nos estudos e na vida em geral, enquanto os outros jovens eram problemáticos. Ter a paciência de esperar e a disciplina de pensar mais no resultado do que no prazer imediato impacta o futuro mais do que QI e mais do que nível socioeconômico dos seus pais.

Ser impulsivo e inconsequente custa caro. Muitos dos piores gastos dos quais nos arrependemos são decididos nos primeiros segundos e os vendedores sabem disto. Espere pelo menos 24 horas para gastar, observe se a motivação é o medo de não ter aquilo de novo ou o prazer da compra em si, pense se você pode pagar. Cuidado com o impulso de levar vantagem, mentir ou assumir um compromisso que já sabe que não conseguirá cumprir. Cultive a compaixão para não explorar o outro e desenvolva a esperteza para evitar ser enganado. Escolha bem o conteúdo que você lê e assiste, seja seletivo em suas companhias e no lazer.

Alguns negócios desastrosos que quebram uma empresa são fechados no calor do momento e bons negócios são recusados sem pensar direito. É só olhar à nossa volta para constatar que ter objetivos, planejar e executar corretamente dá resultado positivo nas finanças. Projetos bem-sucedidos e negócios de sucesso demandam planejamento sério, competência, muito trabalho, preparação, investimento de dinheiro e tempo para dar lucro. E o sucesso traz prazer também, mais sólido e duradouro; depois que você se supera sente-se muito bem. O prazer imediato é infantil e egoísta, enquanto a felicidade é generosa.

Ser atropelado pelos fatos e reagir a eles é bem diferente de agir e conduzir os acontecimentos. Falar e agir sem pensar costuma trazer problemas na esfera pessoal, acadêmica ou profissional, e afeta especialmente os relacionamentos. Prevenir-se contra imprevistos desfavoráveis tranquiliza e eles serão absorvidos naturalmente. Preparar-se para boas surpresas nos torna aptos a aproveitar melhor as oportunidades quando elas surgirem. Precisamos da inteligência emocional e do autocontrole e isso não quer dizer reprimir as emoções.

Perdeu dinheiro? Estude como recuperá-lo. Perdeu o controle? Retome e não prolongue a bagunça. Só não podemos exagerar e passar todo o tempo planejando, é preciso agir e colocar em prática o que foi planejado. A função maior do planejamento é saber qual a coisa certa a fazer, quando, como e onde. Se não houver ação, ele perdeu a finalidade. Se você se perder nos detalhes, talvez não dê tempo de executar — atualmente tudo acontece muito rápido. Tornar-se obcecado por controle não é saudável e nem realista. Resista aos impulsos, mas saiba diferenciá-los de uma intuição, um instinto verdadeiro. Viva bem o presente, lembrando-se de considerar o futuro.

Andréa Voûte

foto de Tommaso Fornoni para Unsplash

Postura ativa e responsável

Imagine que estejamos vivendo um dia normal, quando de repente surge um imprevisto. Sabemos que isso pode acontecer e que são várias as atitudes que podemos tomar. Digamos que nossas reações em determinados momentos podem ter uma tendência ativa e, em outros momentos, passiva. Vamos ver o exemplo abaixo:

Uma pessoa, em um ato bastante comum e aparentemente generoso, empresta seu cartão de crédito para uma amiga fazer compras. Essa pessoa possivelmente acabará, com problemas e talvez o nome sujo na praça. Se isso acontecer, pela postura passiva adotada – provavelmente por considerar a amiga confiável – está claro que ela é igualmente responsável pela situação criada. Em situações assim, também é comum que, para não ficar chato, ela não cobre a amiga. Magoada e constrangida ela fala com o banco, reclama dos juros, perde tempo, dinheiro e, como não poderia deixar de ser, a amizade fica abalada. Para evitar esse tipo de situação, adotar uma postura “ativa” é sempre a melhor solução, que, nesse caso, seria simplesmente ter dito, de forma delicada, que não poderia emprestar o cartão. Talvez acompanhada de uma orientação de como não precisar pedir emprestado o cartão alheio para que a amiga também seja mais ativa e autônoma em suas finanças.

Nesse exemplo estamos falando de escolhas possíveis, sendo que a mais “fácil” pode tornar uma pessoa vítima das circunstâncias. A mais “difícil”, porém, poderá evitar problemas e trará mais tranquilidade no futuro. Decisões desse tipo tranquilizam e enriquecem. O autocontrole é bem melhor do que tentar controlar o outro; o autoconhecimento primeiro e depois conhecer o outro; a autocrítica é mais útil do que criticar o outro, a autoestima é mais importante do que os aplausos alheios.

Ser adulto é fazer a nossa parte primeiro, é vencer a preguiça, é ter coragem, é persistir, é ter palavra e sustentar-se. Você já observou uma pessoa imatura e pensou que caberia aos pais não mimarem os filhos e aos filhos recusarem os mimos? Isso se estende a outras relações também, por exemplo entre chefes e funcionários, entre marido e mulher ou até entre prestadores de serviços e clientes. Pessoas dependentes que ficam procurando alguém para seguir e pessoas mimadas que ficam procurando alguém que as sirva não se desenvolvem, não conquistam nada e desperdiçam o seu potencial no tédio da vida passiva.

Exemplos de perguntas improdutivas: Quem é o culpado?  O que pode ser pior do que isso?  Quem vai pagar por isso?  Como posso provar que estou certo?  Quando as coisas vão mudar?

Exemplos de perguntas produtivas: O que eu posso fazer para resolver ou minimizar o problema? O que eu posso aprender com isso? O que eu posso fazer para evitar que aconteça novamente? Como aceitar e me adaptar ao que não tenho sob controle? 

Andréa Voûte

O problema é o que deixamos de fazer

O PROBLEMA É O QUE DEIXAMOS DE FAZER

Andréa Voûte

As coisas mais sujas são as que recebem menos limpeza e não as que recebem menos sujeira. Sabemos que alguma sujeira é até boa, que celulares podem ser mais sujos do que sapatos, que mais vale uma limpeza frequente do que um produto forte. Interessante é que muitos destes conceitos se aplicam às finanças.

Nos recusamos a encarar as dívidas até que o nome fique sujo e com isso o crédito negado. Depois de estar sem tempo, dinheiro e energia para nada, sofrendo pressão dos cobradores, nossa reputação na lama, aí sim seremos obrigados a tomar uma atitude. Recomeçar, mudar hábitos, renegociar e limpar o nome levam tempo. Não se acostume a viver pendurado em dívidas, comece hoje a pensar e agir sobre isso!

Deixamos de fazer os controles financeiros porque são chatos, a não ser quando já estamos perdidos na escassez, desemprego ou fraudes. Quando fazemos, percebemos a importância deles e desfrutamos do resultado financeiro e mental. Não saber para onde vai o dinheiro, qual é a nossa real situação ou que opções temos é jogar com a sorte e normalmente resulta em azar. Se as suas finanças estiverem descontroladas, experimente mudar isso!

Emendamos uma atividade na outra, maratonamos seriados, trabalhamos sem interrupção, lotamos a agenda, navegamos na Internet por horas, boicotando as pausas necessárias. Sabemos que o sedentarismo é o novo cigarro! Só quando engordamos ou sentimos os sintomas físicos e mentais começamos a dar atenção para o que realmente importa. Mexa-se agora!

Da mesma forma, os gastos acontecem em um ritmo diário, mas não paramos para fazer um balanço e análise destes gastos até que as contas comecem a atrasar. Consumimos a nós mesmos no consumismo e a vida vai passando até o dia em que percebemos que desperdiçamos parte dela com ilusões e compulsões. Desprezamos os pequenos valores na hora de gastar e na hora de ganhar, acostumamo-nos com alguns desperdícios, subestimamos os custos e os riscos e superestimamos os benefícios e as possibilidades. Tenha consciência!

A velhice chega para todos os que estiverem vivos, a aposentadoria chega para quem trabalha, mas… parecem tão longe no tempo… Faça o seu planejamento financeiro ou estará nas mãos de seus filhos, INSS, bancos, planos de saúde e todas as mudanças que estes venham a sofrer.  Quanto antes você começar a preparar a sua aposentadoria, melhor ela tende a ser. Se você nunca ligou para conforto ou segurança, na velhice mudará de prioridades. Não espere mais para cuidar deste assunto inevitável!

Esquecemo-nos dos pobres com quem não temos contato e procuramos distância cada vez maior deles. Só quando nos ameaçam, nos incomodam, fedem ou nos fazem sentir culpados, começamos a pensar neles. Doações e trabalho voluntário são parte normal da vida, tratar empregados com justiça, pensar no coletivo e desenvolver a generosidade são atitudes sábias. Olhe para o lado por cima dos muros do egoísmo!

Não fique parado por medo da mudança ou por desconhecer o assunto, vá à luta! Não resolva somente os problemas visíveis e que já te atrapalham há tempos, resolva também os invisíveis e os previstos. Não esgote a boa vontade de quem te ajuda e compreende, deixando chegar ao ponto de ser julgado e desrespeitado. Não se preocupe só com o que aparece e afeta a sua imagem, trabalhe as coisas que só a terapeuta e o espelho sabem, ou nem eles… Não faça o certo simplesmente para evitar multas e punições, faça por você mesmo!

Gastador x acumulador

GASTADOR x ACUMULADOR

imagem free do Pixabay

Andréa Voûte

Ninguém é 100% gastador ou poupador e poucos encontram um equilíbrio razoável entre comprar demais e guardar demais. Na tabela abaixo coloquei o fruto de minhas observações da consultoria e da vida. Este não é um teste científico, é para você ver com qual tipo se identifica mais.

Nenhum dos dois gosta de ser pobre, porém o gastador sente-se mais à vontade na abundância e o acumulador na escassez e ironicamente a tendência é acontecer o inverso. O poupador pode aposentar-se antes e melhor se quiser, só que nunca estará satisfeito. Os dois receiam não ter dinheiro, nenhum deles aceita bem a pobreza, mas o acumulador pobre sofre um pouco menos e sai mais rápido, enquanto o gastador pobre terá mais problemas por mais tempo.

GASTADOR ACUMULADOR
Adora gastar em qualquer circunstância, em qualquer local, qualquer valor, com qualquer finalidade. Adora saber que poderia ter comprado mas disse não e guardou para o futuro.
Tudo para ele é barato. Tudo para ele é caro.
Torce para o shampoo acabar logo e ele poder abrir um novo, torce para a roupa não servir mais, para ele ter uma desculpa para ir à loja comprar uma nova, vibra quando o curso termina e já começa a pesquisar o próximo curso para fazer, na alegria de comprar o presente de aniversário já compra a roupa da festa e mais alguma coisa para ele também, normalmente não planejada e às vezes mais cara do que o presente. Costuma economizar, espremer o tubo da pasta de dentes, usar o mesmo computador por 10 anos, apagar as luzes e fechar as torneiras, escolher o carro só pensando no custo de manutenção, fazer tudo com as próprias mãos e consertar o sapato furado.
Orgulha-se de aproveitar a vida com alegria, considera-se uma pessoa leve e relaxada. É rígido e se orgulha da austeridade com que leva a vida, preocupa-se com a sua reputação.
Adora usar um produto novo e saber que pode comprar. Faz questão de usar produtos antigos e saber que está esticando a sua vida útil.
Sente-se superior em generosidade e humanismo ao poupador e o vê como egoísta, materialista, mesquinho e avarento. Sente-se superior ao gastador e rotula-o como infantil e inconsequente. Sente-se uma pessoa mais consciente, controlado, responsável e rico.
Existe o gastador que também é acumulador. Imagine comprar demais e depois não conseguir doar, vender ou jogar o que tem em excesso. Mesmo sabendo que já possui um enorme estoque daquele objeto, continua comprando. Adora colecionar objetos, carros, obras de arte ou até animais. Isso pode piorar e ocupar cada vez mais espaço, ele começa a guardar coisas inúteis e apegar-se a tudo. Cerca de 5% da população tem distúrbios de acumulação como o colecionismo. O colecionador pode ter várias manias como nos Transtornos Obsessivo-Compulsivos (TOC) e perde saúde física e mental, perde qualidade de vida e vive constantemente na bagunça e na sujeira.
Não gosta de perder, mas aceita melhor as perdas. Joga fora sem dó para ter a desculpa de poder comprar mais e pode vir a se arrepender. Sente-se desconfortável em desfazer-se das coisas que possui, podendo chegar a fobia de jogar fora e diz que quem guarda tem, mesmo sabendo que nunca mais usará.
É otimista e nas poucas vezes que pensa no futuro imagina tempos melhores, mais fáceis, prósperos e felizes. Quando tem reserva é para viajar, comprar algum bem ou realizar algum sonho de consumo o mais rápido possível. O gastador diz que a vida é curta e sabe que pode morrer amanhã, portanto devemos viver intensamente e curtir o momento. Morre de medo de ficar sem reserva de emergência. Sabe que o futuro pode trazer emergências absurdas, crises terríveis, doenças perigosas e acidentes caros. Contenta-se com uma recompensa futura maior e realiza mais sonhos. Diz que devemos ser prudentes e sabe que a expectativa de vida tem aumentado, portanto muitos de nós passaremos dos 100 anos de idade.
Inveja o futuro do poupador e sua segurança. Inveja o presente do gastador e sua alegria.
Quando vê que o investimento rende um baixo percentual por mês e um bem tem valorização lenta e incerta, logo desiste e gasta. Tem mais paciência e disciplina naturalmente para esperar o patrimônio crescer. Ele adora acompanhar a evolução dos seus investimentos e a valorização de seus bens. Precisa da sensação de fazer a coisa certa.
Perde prazos, parcela, refinancia, renegocia, paga multas e juros por atraso, complica tudo. Os dois gostam de pagar as contas em dia, mas o acumulador tem maior facilidade para conseguir.
O gastador tem uma lista de dívidas que normalmente nem está registrada. O acumulador tem uma carteira de investimentos que normalmente é bem controlada e gerenciada.
Mesmo empobrecendo não consegue parar de gastar. Mesmo ficando rico não para de acumular. Quer acumular dinheiro para várias gerações.
Rico será feliz mas pode perder tudo se exagerar e insistir em gastar mais do que ganha. Rico pode transformar-se naquele ambicioso insaciável que busca sempre mais um dígito.
Os que estão muito endividados tem vergonha das dívidas e sentem-se mal, fracassados e culpados. Alguns dão a volta por cima com grande esforço e outros acostumam-se ou até ficam viciados em dívidas. Tem horror a dívidas e muitos passam a vida toda sem fazer nenhuma. Costumam ter mais independência financeira em relação a outras pessoas.
É apaixonado por listas de compras ou de desejos de consumo, quando não estão no papel estão na memória todas as coisas que ele está “precisando” agora. Tudo é motivo para uma nova lista maior possível: quando vai viajar tem a lista de compras para a viagem, quando muda de moradia faz a lista de compras da reforma, muda frequentemente de atividade física e ao começar compra todo o equipamento para ela. Enfim, cada passo que ele dá gera uma nova leva de gastos. Sofre para gastar, sente-se culpado, fútil e inconsequente quando gasta. O acumulador está sempre pensando se aquilo não vai fazer falta, seja o dinheiro que gastou ou deixou de ganhar, o objeto que vendeu, doou ou descartou. Alguns comem alimentos estragados por dó de jogar fora.
Acha que a vida não vale a pena com orçamento curto demais, que não vale a pena trabalhar se não puder usufruir do resultado deste trabalho. Decidir o que não comprar é um sacrifício gigante. Tem horror de economizar, preencher controles, fazer orçamento, cortar gastos, contar moedinhas e fazer contas em geral. Vive de pão com ovo por um tempo se precisar, lazer é pizza de muzzarela, almoço é marmita, água é da torneira e na rua ele passa fome e sede mas não gasta. O acumulador costuma valorizar mais a vida simples. Não sofre para economizar porque não se importa com o presente e sim com o futuro.
O gastador se diverte pesquisando preços, escolhendo, olhando vitrines e caçando ofertas e ainda prefere comprar por impulso. Ele pode planejar as compras, mas sempre extrapola o plano. Se ele conseguiu pagar menos, vai acabar gastando o restante em outra coisa para compensar e não volta para casa com troco. Planeja as compras e segue o plano, espera, calcula e pesquisa. Pode comprar até mais que o gastador, mas são coisas grandes, caras e duráveis. Negocia até abaixar o preço ao menor valor possível. Não se preocupa tanto com o motivo de ser barato, se pode envolver roubo, escravidão, exploração ou sonegação.
Tem plena consciência que o dinheiro é um recurso para ser usado e acha o maior desperdício de tempo e energia vê-lo parado Espera que o dinheiro lhe traga segurança e paz e não se conforma com os desperdícios financeiros do gastador.
Poupa quando sobra depois de gastar. Gasta quando sobra depois de guardar.
Ajuda aos outros com mais frequência, mas também pede ajuda com mais frequência e não necessariamente as pessoas a quem ele ajuda são as mesmas para quem pede ajuda. Consegue ajudar a mais pessoas e nas crises são muito procurados para isso. Podem “adotar” alguns gastadores.
É mais facilmente manipulável para comprar compulsivamente mesmo sem poder ou precisar. Cerca de 5% da população tem Oniomania – compra demais. Só compra o que estava precisando ou planejando, às vezes nem isso.
Está mais interessado no prazer de gastar, no momento da compra do que no produto ou serviço em si. Para ele dinheiro traz alegria e prazer imediato. O gastador odeia esperar, ele é ansioso e quer tudo agora. Ele não precisa terminar o que começou nem faz questão de usar o que comprou. Compra menos e melhor.
Desperdiça dinheiro, tempo e energia comprando o que não precisa ou não pode e pagando juros. Desperdiça tempo e energia em busca do custo mínimo, economizando o que não precisa e desperdiça espaço guardando o que não usa.
Quando diz que está sem dinheiro é porque ele já gastou tudo o que tinha e mais alguma coisa de cheque especial e empréstimo. Quando diz que está totalmente sem dinheiro ele ainda tem uma reservinha.

 

Muitos gostam de ganhar mas podem sentir-se culpados e ser meio desligados do dinheiro. Gosta de ganhar dinheiro e pode tornar-se um escravo dele, pensando e falando só nisso.

Autêntico, graças a Deus

AUTÊNTICO, GRAÇAS A DEUS

Andréa Voûte

Ser autêntico é chique e motivador, é um sinal de evolução. Imitar é brega, a cópia não costuma ser igual, pois falta a ela a essência do criador. Às vezes, vemos alguém aproveitar uma ideia e vesti-la com sua própria essência. Pode ficar bom, mas nunca será original. Não terá a coragem do pioneiro, mas pode-se tentar aprender com a experiência dele. Representar para manter as aparências desgasta demais, é um esforço grande que chega a um resultado vazio e constantemente é perseguido pelo medo de ser desmascarado. Interiormente sabemos que o “ter” não substitui o “ser” e o “parecer ter” é pior ainda. Deixar-nos levar pelos acontecimentos sem saber quem realmente somos nos priva de viver nossa plenitude. Trabalhar em equipe e pensar no coletivo são coisas da maturidade, sem anular-se para fazer parte de um grupo.

Ser você mesmo é uma delícia! Permite que você torne-se excelente em algo (ou em algumas coisas) embora consciente de suas falhas. Por ironia é justamente quando desistir da perfeição e fizer algo por prazer que receberás aplausos. Livra a você da carga de tentar agradar aos outros e curiosamente é aí que muitas vezes conquistará as pessoas. Proporciona alívio e relaxamento, abrindo espaço para a felicidade, mas não nos 365 dias do ano. A verdade tem uma nobreza incrível e uma beleza insubstituível!

Quanto às finanças, procure a receita certa para você, compatível com sua competência, seu nível de esforço e seu padrão de vida; a despesa que se encaixe em seus valores e suas prioridades, o investimento adequado ao seu perfil de risco e suas metas. Dicas nem sempre ajudam, o que é ótimo para o outro não necessariamente terá o mesmo efeito em você e pode ser frustrante tentar. O dinheiro em si também não resolve tudo sozinho. Embora eu seja agradecida a todos aqueles que, em algum momento, me deram ajuda financeira teórica ou prática, aos que dispuseram do seu tempo e dinheiro, eu sei que no final coube a mim decidir o que fazer com eles.

Tem certeza?

TEM CERTEZA?

Andréa Voûte

Tempo perdido não se recupera nunca mais.  Todos nós convivemos com o desperdício, inclusive de tempo… vamos minimizar isto para liberar mais recursos para o que é realmente importante.  Reflita sobre o tempo e dinheiro que você perde tentando agradar aos outros, explicar-se e seguir protocolos.

Agradar a todos sabemos que é impossível, mas tentar é considerado bonito ou até um ato de amor.  Receber pessoas quando não temos tempo, oferecer coisas que não podemos comprar, frequentar lugares caros e dividir suas altas contas, emprestar o nome correndo enorme risco de sujá-lo, vale tudo em nome da simpatia!  Ajudar, ser amigo e companheiro não quer dizer agradar, quando for necessário mesmo talvez seja melhor ceder de vez e servir com amor ao outro, pela preocupação sincera com o bem-estar geral.  Ou então ser direto ao dizer “não” e deixar para outra oportunidade, quando tiver mais recursos disponíveis, afinal ninguém mais tem tempo e dinheiro para perder com cerimônias e aparências vazias, o que a sociedade diz que pega bem nem sempre faz bem.  Melhor dizer “sim” menos vezes mas com todo o coração, mente e alma do que somente da boca para fora, não é verdade?

Damos satisfação demais de nossas vidas!  Detalhes deveriam ficar para as deliciosas conversas íntimas com os amigos, parentes ou profissionais da terapia de nossa confiança, mas nunca porque nos sentimos obrigados a falar.  Isso compromete nossa segurança e privacidade, é um direito nosso ter segredos e não responder a determinadas perguntas.  Sem esquecer, é claro, que omitir é uma forma de mentir, então não estou incentivando a “esconder o jogo”, afinal há coisas que os outros tem sim o direito de saber e devem mesmo ser reveladas.  Estou falando das invasões ao nosso espaço reservado, que já foi tão reduzido com a globalização e a informatização.  Perguntas sobre quanto você ganha, como você gasta seu tempo e dinheiro, para quem irá deixar isto ou aquilo, que tipo de relação matrimonial escolheu, como cria os filhos ou porque não os teve, e por aí vai…  Só para não perder o costume vou mencionar o assunto das dívidas – além de termos que nos explicar para as autoridades governamentais, profissionais e às vezes familiares, quem faz dívidas ainda deve satisfações aos credores!

O Natal é um exemplo interessante de protocolo que muitos seguem sem questionar.  Todos acreditam, fazem compras mil, se reúnem naquela data e horário, homenageiam um personagem comercial e iludem as crianças, cumprem direitinho o ritual.  Mas quem inventou este ritual?  Há toda uma história, ou melhor uma mistura delas, que originaram estes costumes, mas se você curte natal, é melhor nem procurar saber…

Fugir do convencional tem um preço, claro. Seremos mal interpretados, pressionados e discriminados. E tem mais, observe que sempre que uma pessoa criativa inventa algo novo e o resultado parece bom, logo aquilo vira “regra” e sai um monte de gente copiando. Pronto, ela não só quebrou tradições como criou uma nova e começa tudo de novo…  Às vezes eu me pergunto se já consegui lançar uma nova “moda” de pagar à vista, contestando a maré. 🙂

Ouse quebrar as tradições que lhe atrapalham ou não lhe acrescentam nada de bom!  Pergunte-se: Por que eu preciso fazer isto?  É espontâneo e natural?  Quem ganha o que com isto?

BOA FORMA FINANCEIRA

BOA FORMA FINANCEIRA

Andréa Voûte

Assim como a comida, o dinheiro é uma “coisa” com a qual temos de nos relacionar a vida toda, querendo ou não, sabendo ou não; portanto vamos tornar esse relacionamento o melhor possível?

Sentir-se gordo em relação aos magros e sentir-se fora de forma diante dos saudáveis começa a preocupar. O mais importante é o que fazer com essa preocupação – culpar-se a cada mordida, sofrer a cada despida, ou reagir positivamente, por exemplo, começando uma dieta alimentar e um programa de exercícios? Vamos fazer um check-up financeiro, olhar de frente nossa realidade, nossos números. Detectados os excessos, as doenças e as carências, é hora de mexer-se. Assim como não há reeducação alimentar sem controle de alimentos e bebidas, do peso e de preferência até das medidas, adivinhe como funciona a educação financeira?

Como eu ganho meu dinheiro, quanto eu ganho, de quem e quando? Aproveitamos para questionar cada detalhe da receita e se é possível melhorá-la. Pensando no que é ganhar bem, o que é ser rico na minha concepção, analisando a carreira, as oportunidades e as crenças a respeito do dinheiro e do lado material da vida, perceberemos que muitos problemas financeiros vêm de questões mal resolvidas em relação à receita. É importante saber com que gasto o dinheiro e conhecer as minhas necessidades, luxos e desperdícios. Quais são as prioridades entre presente e futuro, qualidade e quantidade, poupança e consumo, generosidade e benefício próprio?

Racionalizar os gastos é bem mais complexo do que simplesmente sair cortando tudo o que não é essencial, é como comer com qualidade satisfazendo a fome e, de vez em quando, aproveitando um banquete. Com o passar do tempo, vamos percebendo que é mais importante cultivar os pequenos hábitos do dia a dia do que as grandes e doloridas intervenções radicais feitas esporadicamente, que podem ser evitadas se determinados hábitos forem praticados. Pequenas economias, que formam poupanças (aparentemente) lentas, pode ser o começo de um milagre da prosperidade. Da mesma forma que a gula não é saudável, a abstinência não contribui para a saúde. Poder mas não conseguir usufruir do próprio dinheiro, ganho honestamente com o trabalho, é uma pena, viver dia e noite pensando economizar em cada centavo e sacrificar completamente o presente em nome do futuro, só se for por uma fase.

Para minha dieta financeira ficar mais vitaminada, que informações eu devo buscar? E para ganhar força, resistência e novos contornos, que exercícios eu devo fazer?

Invista sempre em sua educação financeira, pois ela afeta a sua qualidade de vida. É gostoso comer bem, às vezes saborear uma sobremesa, ou até dizer não para ela no auge do autocontrole, mas tudo dentro de minha dieta, que eu mesma escolhi.

O FIM DO ANO

O FIM DO ANO

Andréa Voûte

Para quem tem o privilégio de receber um salário a mais por ano – ou dois – vale a pena olhar com cuidado para o décimo-terceiro salário, fruto do seu trabalho, antes de entusiasmar-se com os gastos de fim de ano.

Quanto mais rodeados de pessoas estivermos, seremos chamados para muitas coisas e mais seletivos precisamos ser. Festas e reuniões para todos os gostos, formais ou bagunçadas, tediosas ou animadas. Viagens também, seja no campo, na praia ou até alguns dias cheios de neve no exterior. Presentes e lembrancinhas para amigos, parentes, funcionários e colegas ansiosos por recebê-los… Promoções de natal e ano-novo em todo o comércio, lojas enfeitadas como nunca e acabamos até consumindo para nós mesmos, além de todos os outros gastos. Janeiro? Ano que vem? Quem quer pensar nisto neste momento de euforia total?

Eu insisto, tenha em mente o que é importante para você e deixe um espaço para o imprevisto. Dizer “sim” para todas as pessoas e os desejos faz você se sentir parte de algo maior, mas depois pode ocasionar um caos por não dar conta do que se comprometeu a fazer. Correr de uma festa para outra só para cumprir o protocolo, viajar demais sem tempo de curtir o local e as pessoas direito, participar de rituais que não te dizem nada, comer e beber o que não poderia, gastar além dos seus limites… Não recomendo negar sempre e ficar alheio ao “movimento fim de ano” com seus apelos, é verdade que há muitas oportunidades e encontros nesta época.

O social, a família, o descanso, o dinheiro, o lazer, o que realmente te motiva? Entre as festas que você pode ir, o que significam para você e o que aconteceria se você escolhesse só uma parte delas? E as viagens, qual delas seria realmente divertida e proveitosa? Que presentes da sua lista estão dentro de seu orçamento e são importantes para a pessoa ou para o relacionamento? Ao receber em casa, é preciso mesmo uma mesa excessivamente farta e suntuosa e depois ficar semanas comendo as sobras daquela ceia? Todos estes encontros precisam mesmo ser em dezembro?

Calma, questionar é um hábito saudável! É possível que você esteja se deixando levar a gastar mais do que deveria e que tenha se esquecido de algo importante… Dezembro passou a ser o mês mais estressante do ano mas não precisa ser assim. Pense antes de comprometer-se demais, planeje e seja mais consciente e seletivo.

Um ano é um ciclo de vida, como muitos outros e, se você costuma fazer um “balanço anual” de sua vida, que maravilha, tem gente que não faz isto nunca! Quanto às finanças, como foi este ano para você? Reflita sobre as coisas que você fez para usar melhor o seu dinheiro em 2016 e o que pode fazer em 2017. Normalmente as crises nos ensinam muito, é uma boa ideia registrar estas lições por escrito.