Lançamento do livro

Clio Editora e Livraria da Vila convidam para o lançamento do livro
“Finanças pessoais – Uma gestão eficaz”
de Andréa Voûte e Plínio Barreto da Silva
Dia 02/10/15 – Das 18h30 às 21h30
Alameda Lorena, 1731 – Jardim Paulista Piso superior – Fone: 3062-1063

Vale tudo

Digamos que uma pessoa já tenha comprado a ideia de ser uma boa investidora e tenha adotado como meta em sua vida desenvolver a sua inteligência financeira. É verdade que há várias formas de atingir esta meta e vários estilos de administração do dinheiro, mas com limites, não é um vale tudo.

É nas mentiras necessárias, nas traições leves, nos pequenos roubos, nas contravenções que todo mundo faz e nas desonestidades toleradas que o vale tudo começa. Vale tudo para “chegar lá”? Lá onde? E se o “lá” não for o que se esperava ou se mudar de lugar? Sei lá… Vale tudo para “ser alguém”? Alguém rico e pronto? Alguém de sucesso não importa no que? E em nome de “subir na vida” vale agir como se fosse o ser mais importante do mundo? Pagando bem, que mal tem?

Não dá para sair ganhando em tudo, é preciso buscar o ganha-ganha. O custe o que custar até certo ponto é persistência e portanto parte da inteligência financeira, mas passar por cima de tudo e de todos é egoísmo. Quem fizer negócios baseado nestes conceitos, terá que se esforçar cada vez mais para encontrar novos parceiros. Aqueles com quem a pessoa já trabalhou não confiam mais nela. Alguns a considerarão indesejável ou até mesmo um inimigo a temer. Clientes a quem esta pessoa prometeu e não cumpriu, sócios que ela enganou, fornecedores que humilhou, colegas de quem roubou ideias. Esperteza com os números, habilidades de negociação e técnicas de venda fazem parte da inteligência financeira, desde que não se ultrapasse a linha da ética. Aceitar dinheiro para fazer coisas que a pessoa sabe que são erradas costumava ter o nome de corrupção.

Reduzir os custos compartilhando forçosamente a rede sem fio e a energia elétrica dos parentes e vizinhos não vale. Economizar no lazer esquecendo a carteira pode estragar as relações. Ligar a cobrar e ter aquele celular que só serve para receber ligações, fazer visitas sempre na hora do almoço e pedir tudo emprestado não é inteligência financeira, é exploração.

Privacidade com relação ao patrimônio que se possui é um direito de todos, embora o governo cobre estas informações na declaração do imposto de renda, ninguém precisa ficar alardeando quanto tem, deve, ganha ou gasta. Mas deixar de atender a uma necessidade ou de pagar uma dívida para que “sobre” dinheiro para investir não é inteligência financeira, é distorção do conceito de reserva. E para ter inteligência financeira não basta ter reserva. é preciso saber o que fazer com ela.  Consumir sempre o mínimo possível, cortando todos os luxos, é sempre inteligência financeira ou às vezes trata-se de avareza?

São várias escolhas por dia, especialmente as que envolvem o dinheiro. Networking por exemplo é ótimo, um pouco de política e cordialidade, sem cair na bajulação. Ausência de ambição é uma coisa deprimente que atrasa a vida da pessoa, mas a ganância insaciável também é um problema que a tornará eternamente infeliz. Vale tudo para ter uma boa renda e um bom padrão de vida? Isso não se chama inteligência financeira, o nome disto é prostituição.

Muitas pessoas ganham rios de dinheiro e vivem no mundo do luxo à custa de prejudicar outras, direta ou indiretamente. Os golpistas se consideram criativos e ágeis, mas tem tanta gente boa que esbanja criatividade… Vale viver do crime e morrer cedo, após uma vida extremamente tensa, de constantes ameaças e fugas, colecionando inimigos? Negócios escusos, com colarinho branco ou não, nunca foram inteligência financeira, mas sim bandidagem.

Vale tudo para parecer ter? Supervalorizar grifes a ponto de endividar-se para sentir-se parte da elite ou a ponto de comprar produtos falsificados, que não tem compromisso nenhum com a qualidade, só para parecer que pode, não é inteligente, é brega e fútil. Viajar correndo de um lugar para o outro sem conhecer realmente, só para dizer que já foi lá, não é inteligência financeira, é uma pena.

Aproveitar uma grande liquidação para comprar usando o limite do cheque especial, adquirir cupons das ofertas do dia que depois não são usados, comprar financiado para não mexer nos investimentos, fazer malabarismo financeiro com as datas dos vários cartões de crédito… Muitas situações que parecem vantajosas não tem nada de inteligência financeira, acabam em grandes prejuízos de tempo e dinheiro.

Não, não vale tudo para “se dar bem na vida”. E ainda há muita gente de sucesso com ética, que bom.

Origem da dívida

Uma pessoa costuma gastar mais do que ganha e com isso normalmente usa o cheque especial. Ela é uma compradora compulsiva e está sempre gastando.

Sua renda padrão é de R$ 10.000 e gastos de R$ 11.000, deixando um saldo negativo de R$ 1.000. O cheque especial dela custa 10% de juros e com isso ela paga R$ 100,00 e fica com saldo negativo de R$ 1.100,00. Agora ela tem dois problemas: o consumismo que a leva a gastar mais do que ganha e portanto é a origem da dívida e os juros do cheque especial que entram como uma despesa cara e da qual não se usufrui nada além do alívio da ansiedade de gastar. Continuando neste ritmo, a cada imprevisto ela usará mais dinheiro ainda do cheque especial e a dívida crescerá rapidamente.

Se ela ultrapassar o valor limite estabelecido, pagará tarifas altíssimas diariamente (neste caso acho justo) e terá agora 3 problemas a resolver, o que provavelmente a levará ao CCF. Para “limpar” o nome ela terá que desembolsar mais dinheiro. Se contratar um empréstimo para quitar o cheque especial, ela pagará IOF, tarifas e seguro, além dos juros do empréstimo, é claro. Com todos estes problemas, ela está longe de resolver o consumismo, pelo contrário, continua comprando compulsivamente…

POR ISSO PENSE BEM, MAS MUITO BEM MESMO, ANTES DE SAIR GASTANDO DO CHEQUE ESPECIAL OU CARTÃO DE CRÉDITO (a não ser que pague sempre a fatura integralmente).

Os números falam

Os números falam

Andréa Voûte

Todos os nossos números são o resultado de nosso comportamento combinado com a sorte, o ambiente e a herança recebida. Sua renda, as substâncias no seu exame de sangue, suas notas nas avaliações da escola ou do trabalho, o número de amigos (mesmo) são o resultado de uma combinação de fatores, no qual você tem sempre alguma responsabilidade.

Eles também podem tornar-se a causa de outros números. Por exemplo: você tem dívidas que te preocupam tanto a ponto de deteriorar a sua saúde, então os números do seu extrato podem se refletir na sua pressão arterial ou na quantidade de horas que você dorme e isso pode afetar outros números, como o número de negócios que você fecha. E de onde vieram as dívidas? Provavelmente (ainda que você não tenha consciência disto) vieram do seu comportamento financeiro. Da mesma forma, um aumento de renda pode trazer bem-estar, diminuir as compulsões e, se bem administrada, esta renda maior pode fazer crescer o seu patrimônio.

Economia é uma matéria de Humanas e não de Exatas, muitos daqueles algarismos aparentemente frios das notícias do jornal mudam quando as pessoas estão em pânico e começam a tomar medidas desesperadas ou quando estão eufóricas achando que podem tudo.

Que números são importantes nas suas finanças? Como você mede o seu sucesso, da sua família, empresa e do seu país? Na prática, qual tem sido a sua prioridade? Podemos começar pela renda e despesa anuais, depois os bens e dívidas atuais. Só de acompanhar estas quatro informações você já estará em extrema vantagem e terá condições de dar os próximos passos. Se você não simpatiza muito com os controles ou com a matemática, talvez demore um pouco mais para entendê-los e interpretá-los, peça ajuda e um dia você estará apto a ouvir o que eles tem a dizer.

Para isto é preciso alimentá-los e deixá-los precisos e exatos. Sim, no momento de registrar e manipular os números é preciso ser detalhista, depois você arredonda e desconsidera alguma coisa se for o caso. Meio controle é melhor do que nada no sentido de significar um primeiro passo para um controle verdadeiro, já te dá alguma consciência, mas os números têm que bater sim em cada centavo ou você pode tomar decisões equivocadas. Onde há um erro, pode haver vários.

Aproveite para exercitar a sua memória e concentração. Depois vamos brincar com eles: somando os totais do ano por tipo de despesa, multiplicando em investimentos, dividindo por objetivos, subtraindo os desperdícios, simulando sonhos. Exercite sua criatividade e capacidade estratégica. Quando você olha para as planilhas você vê alguns dos frutos que está colhendo e a que conclusões chega com isto? Exercite a sua lógica e capacidade de análise respeitando a beleza e a importância dos números.

Com amor

O amor que se manifesta em atos e palavras é toda uma atitude que temos quando decidimos amar. Não estou falando do delicioso sentimento de paixão que nos invade inexplicavelmente, mas sim do amor que cresce e amadurece com o tempo. Enquanto a paixão colore e tempera a nossa vida, o amor dá sentido a ela.

Um profissional que decide amar aos seus clientes receberá amor de muitos deles também. Ele olhará atentamente para cada pessoa e estará empenhado em atender as suas necessidades, agradar e proporcionar-lhes bem-estar. Este profissional terá o cuidado de respeitar o espaço alheio e tolerar as suas limitações. O cliente, satisfeito por ser bem tratado, tende a ser fiel e muitas vezes a surpreender, correspondendo o amor ao enxergar naquele profissional que o atende um ser humano também. Nesta relação cliente-fornecedor, as pessoas continuam sendo imperfeitas, mas existe a decisão de amar que rejeita a exploração, afasta a má vontade, controla a irritação e não dá espaço para a negligência, resultando naturalmente em bons negócios e amizades.

A liderança exercida com amor pensa sempre em ajudar cada indivíduo envolvido no processo, assim como pensa no bem comum. O líder preocupa-se com a evolução do ser humano, mesmo que isso signifique perder o controle sobre ele. Os objetivos estabelecidos deverão sempre beneficiar várias pessoas, de maneiras e intensidades diferentes. Quem está sob liderança justa, costuma responder com um ótimo resultado, amando ao seu líder. Sempre que os dois lados estão dispostos a aprender, tudo fica incrivelmente mais fácil. Ambos saberão que não cabe neste relacionamento a dominação, a humilhação nem a idolatria. Quando todos concordarem, o líder será naturalmente seguido e a equipe ficará verdadeiramente unida. Os conflitos que surgirem terminarão em acordos, negociados com justiça e flexibilidade.

É universal e serve para todas as idades, culturas, raças, credos e sexos, gostar de conviver com alguém assim, que tenha a percepção de que o amor é a única saída e esteja aprendendo a amar desta forma. Até aqueles que estão achando esse papo utópico, desejam ter parentes, amigos, chefes, clientes, namorados(as) / esposos(as) que os amem. Mesmo quem não tem esse romantismo fica feliz quando faz uma diferença na vida de alguém e sente-se realizado por dar amor e carinho.

Planeje racionalmente, aja com emoção

Segundo as Finanças Comportamentais, tomamos nossas decisões financeiras não apenas baseados no lucro ou prejuízo que resultará destas decisões. São muitas as crenças e emoções que nos influenciam a agir de modo insensato, fazendo coisas que não deveríamos estar fazendo e deixando de fazer coisas importantes. Da mesma forma, há crenças que nos levam à vitórias e emoções que nos dão força. Razão e emoção fazem parte de nossa natureza e a maioria de nós tende a ser mais emotivo ou mais racional. Situações de curto prazo ativam o sistema límbico do cérebro, que controla a emoção e situações de longo prazo ativam o córtex prefrontal, associado ao raciocínio lógico. Como seria uma combinação produtiva das duas coisas? Em que momento usar uma e outra?

Imagine um sonho, aquela coisa que mexe com você, que te desperta paixão e muita esperança de realizar. Ao lembrar-se do seu sonho, um desejo intenso de realizá-lo levará você a buscar soluções para os obstáculos, a alegria de estar a caminho do seu sonho tornará você persistente e incansável com relação aos detalhes, a coragem o surpreenderá ao enfrentar o desconhecido e você ainda conseguirá contagiar algumas pessoas com seu entusiasmo, trazendo-as para junto de você como aliadas.

Neste momento você começa a planejar como chegar neste sonho, quando, onde, com quem e com quanto. É aí que entra a razão, seu lado brilhante tentando encontrar a melhor estratégia. Seja realista considerando algumas adversidades, esteja calmo, pois planejamento não combina com euforia nem pânico. Faça contas, tente prever o futuro (dentro do possível, claro), estude o assunto e mantenha-se bem informado. Seja esperto para aproveitar as oportunidades e fazer as coisas do jeito certo. Seja ético e generoso, pensando no ganha-ganha e fazendo as coisas certas. Se você tinha dúvidas sobre a utilidade da matemática, agora ela será uma ferramenta importante.

Então poderás colocar em prática aquela ótima frase: “Pense como uma pessoa de ação e aja como alguém que pensa!” Serás naturalmente competente pela imensa vontade de acertar, terás crescido até ficar maior do que os problemas, conseguirás obter resultado pelo amor que depositou neste sonho, sentirás prazer na luta e na conquista. Não perderás mais tempo com desculpas e preguiça. Na hora de agir, até raiva pode ser útil, sabe aquela revolta de estar saturado de uma determinada situação e dar um basta, ter o dia da virada bem no pico da raiva? E tudo isso te dará mais força e energia para ser ainda mais persistente e buscar novos sonhos. Não rirás mais dos sonhos dos outros, terá por eles respeito. Pensarás bem antes de prometer e farás tudo para cumprir tua palavra.

Soluções Múltiplas: horta

O que é bom para o seu bolso, sua mente, seu corpo e para o meio-ambiente?

Com uma horta orgânica você tem alimentos fresquinhos e livre de agrotóxicos, para fazer saladas, chás, purês, sopas, doces e temperos saborosos e saudáveis.

Você acompanha o crescimento das plantas e os ciclos da natureza, conhece profundamente a origem do que consome, dá mais valor à agricultura, aprende a  produzir e adquire mais autonomia.

Para cuidar da horta você movimenta-se, tem contato com a terra, fica ao ar livre, observa e imita a natureza, toma um solzinho, orgulha-se das colheitas.

Você colhe aos poucos e com isso desperdiça menos. Economiza nas compras quando planta coisas que duram e rebrotam, controla a higiene e os produtos artificiais ou a ausência deles.

Na horta você convive com plantas chamadas de “pragas” que aos poucos você passará a admirar pela resistência, deixar junto com as “suas” plantas e consumir algumas como plantas não convencionais. Até com os insetos, minhocas e larvas você desenvolve novos tipos de relacionamento…

Longos financiamentos

Na época que os juros abaixaram, muitos ficaram eufóricos para comprar imóveis ou automóveis sem precisar levar um e pagar por dois. O total pago é  reduzido desde que nada mais mude além da taxa de juros. Atenção: mesmo com juros menores, caso o prazo fique maior, a parcela menor, ou se elimine a entrada (aumentando o valor financiado), você pode continuar a ter o mesmo prejuízo ou até mais. Exemplo:

R$ 21.500,00 financiados em 3 anos com parcelas de R$ 1.000,00 e juros de 3% ao mês resultam em R$ 36.000,00.

Reduzindo os juros para para 2% ao mês, mas aumentando o prazo para 4,5 anos e reduzindo as parcelas para R$ 650,00 o total gasto será de R$ 35.750,00 – praticamente a mesma coisa.

Veja que pode parecer um alívio para quem paga ter parcelas 35% menores, um prazo 50% mais longo e juros 33% mais baixos. Parecem 3 boas notícias, mas a única boa mesmo é a dos juros menores. Tempo é vida, use o seu com coisas boas e encurte o prazo das dívidas para reduzir a ação dos juros compostos.

Se você gosta demais de comprar, aprenda vendas e marketing

Faça isto primeiro para ver o outro lado da mesma moeda, sempre muito importante. Descubra porque dizem que o produto mais vendido do mundo é a ilusão. A ilusão de ser mais do que se é: uma pessoa mais bonita, poderosa, feliz, rica, estilosa, descolada e saudável. Sim, pode-se comprar beleza, poder, riqueza, alegrias, estilo e saúde, mas só até certo ponto e desde que você tenha dinheiro para isso. Nos cursos de vendas e marketing ficará mais claro para você até onde é verdade e onde começa o exagero e a maquiagem da verdade. Desde quando alimentos light ou diet são necessariamente mais saudáveis? Você ja reparou nos transtornos causados pela troca anual das roupas e acessórios, do carro, dos móveis, do celular e do computador? Será que o benefício associado àquele produto ou serviço que você está adquirindo não seria uma ilusão que vai lhe causar muita frustração?

Conhecer os scripts de vendas é obrigatório para quem costuma cair no consumismo. Algumas pessoas sentem-se enganadas e arrependidas ao perceber o tamanho da influência que palavras, sons, cheiros e imagens exerceram sobre ela e a fizeram gastar mais do que deveriam. Dali em diante, elas já estarão mais espertas e fortes, aptas a negociar com um vendedor com mais igualdade. Entendendo melhor como funciona a técnica de vendas, você poderá fazer  compras melhores e mais conscientes. Quando atacado por um esquema tático agressivo de vendas (isso é bem mais comum do que supomos) você terá mais condições de defender-se. Quando chantageado por situações que provocam suas emoções, você terá mais facilidade de reconhecer a manipulação e será menos frágil a ela. Quando abordado por um vendedor chato e despreparado, você terá mais paciência com ele, enxergando o ser humano que está trabalhando duro e merecendo o seu respeito, mas talvez não o seu dinheiro.

Mesmo que você não seja consumista, saber vender é essencial. Aprenda sobre isto de qualquer maneira, em livros, cursos e na prática. Todos nós deveríamos aprender a promover, já que dificilmente alguém passará uma vida inteira sem ter que vender algum produto, serviço ou ideia e negociar. O marketing está em tudo, convivemos com ele o tempo todo, precisamos conhecê-lo e fazer uso dele de maneira consciente e ética. Vender pode ser ajudar o cliente, conhecer pessoas surpreendentemente interessantes, fazer negócios em que todos saem ganhando, superar a vergonha, seguir em frente depois de ser contrariado, persistir depois de ser rejeitado, aprender profundamente sobre o produto ou serviço que você vende, contornar obstáculos, ajudar a empresa a crescer, acompanhar os resultados da sua venda. Enfim, promover alguma coisa e vencer pode ser sim super divertido.