Autonomia na saúde

Cada vez mais percebo a diferença gritante entre cuidar da saúde e cuidar da doença e o quanto é prejudicial confundir os dois. Podemos observar mais, conhecer o nosso corpo e adquirir consciência e autoconfiança. Uma das pessoas que sabe mostrar isso é a pediatra de Brasília Thelma B. Oliveira, entrevistada aqui.

Sabemos dos inúmeros benefícios dos avanços da medicina, só não podemos ignorar que a higiene e o saneamento básico, a informação e a tecnologia também contribuem para a nossa saúde. Não vale por preguiça abusar dos medicamentos e cirurgias; não podemos sucumbir ao medo ignorando os efeitos colaterais do Raio-X e do antibiótico; não temos o direito de, em nome do consumismo, esgotar todos os recursos e poluir como se não houvesse amanhã; não devemos afundar nos vícios ou nos afastar tanto do que é natural e humano.

O dinheiro do indivíduo e da nação não garante saúde, bons profissionais e longevidade como gostaríamos, mas a pobreza não ajuda em nada a termos um desenvolvimento físico e mental adequado, um estilo de vida saudável e um bom tratamento com algum conforto quando precisarmos.

De que e de quem somos mais dependentes? 

Somos dependentes de opiniões diversas, que hoje brotam de todos os lados, com intenção de nos apavorar ou de forçar a venda de produtos diversos para ‘sua saúde’. O exemplo mais clássico são as ‘vitaminas’ – palavra mágica que para a maioria dos mortais significa ‘saúde’; com isso, além da campeã vitamina C ‘para gripes e resfriados’, temos os mais diversos tipos, com nomes apelativos: pluri, multi, dirigidas a segmentos específicos: mulheres, crianças, homens, idosos etc.

Quais as consequências dessa dependência? 

Gastos enormes com retorno insignificante.

Por onde começar nossa autonomia em relação à saúde?

Deveríamos dispor de informação de qualidade, tipo as do dr. Dráuzio Varella e outros de menor repercussão; nós mesmos, hoje, temos acesso a vários canais de informação, é só rastrear os mais confiáveis; verdade é que ‘saúde’ não se encontra em farmácias, mas na qualidade de vida.

Quais são os conhecimentos básicos que devemos buscar e onde?

Procurar saber o que convém a cada faixa etária em matéria de atitudes e posturas existenciais, não de medicamentos.

O que podemos mudar para sermos mais livres e saudáveis?

A seguir, a relação das situações da vida comum, que podemos sempre melhorar:

1) dormir bem – ou seja, repousar de verdade, na obscuridade completa, sem leds, sem celular à mão; SP inaugurou um Hotel do Sono, para ensinar a dormir melhor.

2) tomar um bom café da manhã, com pão, manteiga, café ou chá, com ou sem leite, mas com alguma proteína e frutas; escolares que não costumam fazer um breakfast adequado terão dor de cabeça no meio da manhã, por hipoglicemia; ainda mais se fizerem alguma atividade física.

3) almoço moderado, como nossos grãos de arroz e feijão (ou similares) + legumes cozidos com ou sem carnes, segundo nossos hábitos; quem puder, vale comer peixe uma a duas vezes por semana, pois os pescados e ovos fornecem ômega3/6, tão necessários ao cérebro.

4) lanche da tarde, similar ao da manhã, sempre com frutas + um tipo de proteína.

5) jantar: pode ser uma sopa, caldo de legumes com/sem frango desfiado + legumes.

6) pequena ceia antes de ir dormir, que pode ser um iogurte.

7) evitar trânsito pesado e ônibus / metrô muito cheios para ir ao trabalho.

8) ao chegar no local de trabalho, organizar sua mesa, conversar com as pessoas, dar e pedir notícias, evitar fofocas; caminhar a cada uma ou duas horas, mesmo que por 10 minutos; Google está adotando o trabalho de pé, para melhorar a flexibilidade e o funcionamento cardíaco

9) fim da tarde: relax com música ou ginástica leve; evitar streaming, pois ninguém precisa de música e filmes o tempo todo

10) fazer pequenas atividades ao computador, mas ao se deitar, desconectar-se das telas!

O que você considera o maior desperdício de tempo nos cuidados com a saúde?

Fazer exames de rotina, principalmente em crianças; elas não precisam de check-up, a não ser em casos especiais e não por simples modismo; outro: frequentar clínicas com diversos especialistas, procurando algum ‘mal secreto’, mesmo sem sintoma algum. Existe uma vocação à hipocondria na população, de maneira geral. Isso se vê claramente com o número crescente de farmácias. É dos ramos que não entram em crise.

Quais são os procedimentos ou medicamentos em que desperdiçamos mais dinheiro?

Vitaminas do tipo ‘complexos vitamínicos’, que são pobres em cada tipo de ‘vitaminas’ ou ‘sais minerais’, de preço alto e sem eficácia alguma.

Em que momentos devemos realmente procurar os especialistas?

Há idades para procurar especialistas: após os 40 anos para exame de mama e próstata, primeiro check-up cardiológico e um exame clínico geral.

O que fazer diante de um orçamento apertado, sem plano de saúde e reserva de emergência?

Valer-se do SUS/ medicina da família, que faz acompanhamento básico da PA e eventualmente um hemograma; na maior parte do tempo, não necessitamos de especialistas nem de aparelhos de ‘última geração’.

O que a Sra. considera bons investimentos em saúde?

1) evitar cigarro e alto consumo de álcool.

2) evitar possuir / trocar carro e outros bens dispensáveis; adquirimos modelos novos de celular, que não nos trazem alegria e servem para aumentar a sucata ambiental.

3) beber bastante água durante o dia.

4) evitar o sedentarismo.

5) procurar dormir bem e alimentar-se bem, sem grandes restrições, mas reduzindo bastante o consumo de sal, farinhas e açúcar.

Resumindo os fatores da vida moderna que afetam a saúde: estresse no trânsito, dormir pouco e alimentação precária. Nossas crianças estão cada vez mais cativas de condomínios; não conhecem parques nem as ruas; pais/mães devem ter algum tempo para atividades junto à natureza, pois tudo que a criança aprende é através do uso de seu corpo no espaço: equilíbrio, firmeza, destreza, imunidade, resistência física e emocional, respeito à natureza, alegria de brincar com os irmãos ou com outras crianças, sem os apelos ao consumismo dos shoppings.

 

Empregados Domésticos

As relações trabalhistas com a empregada doméstica, motorista, governanta ou até mesmo uma diarista que trabalhe 3 vezes por semana na mesma casa, estão mudando. As mudanças já valem à partir da próxima semana e o “Simples Doméstico” deve ser pago todo dia 07 ou dia útil anterior caso seja um feriado ou fim de semana. No total são cerca de 28% do salário bruto, dos quais o empregador pode descontar 8% do empregado.

Perguntei à Marta Grzywacz da Mars Contábil quais seriam os primeiros passos para quem tem funcionário doméstico regularizar as novas obrigações.

O empregador cadastra-se no e-CAC da Receita Federal. Lá ele gera um código só dele, o CEI, que dá acesso a uma série de serviços da Receita Federal.

Depois, o empregador precisa cadastrar-se no eSocial, com os dados dele e do(s) empregado(s). Todo início de mês ele entra no site e emite a guia para pagar. Lá também tem um manual em PDF que é bom ler.

Copiado do site do eSocial:

“O primeiro pagamento do Simples Doméstico deverá ser realizado até 6 de novembro. Para isso é necessário o cadastramento tanto do empregador quanto do seu trabalhador doméstico no portal eSocial.

Para efetivar a inscrição primeiro é necessário acessar a Consulta Qualificação Cadastral do trabalhador, onde poderão ser indicadas diversas pendências cadastrais, bem como orientação sobre a forma de regularizá-las.

Depois, o empregador deve realizar o seu cadastro e o do seu trabalhador doméstico. O acesso pode ser feito por meio de certificado digital ou de código de acesso. Crie aqui o seu código de acesso e depois acesse o eSocial para efetivar o cadastro.

Ao realizar o cadastramento do trabalhador doméstico não esqueça de também informar o número do celular que garantirá o recebimento de informações importantes do FGTS. Garanta mais este benefício ao trabalhador.

Link: Manual do eSocial – Empregador Doméstico

A Mars Contábil ajuda aos empregadores a organizar estas contas. Se você quiser, entre em contato no telefone (11) 5851-9538 / 2860 ou e-mail contato@marscontabil.com.br .