Leve x pesado

Imagine aquela pessoa que se orgulha de não ser materialista, que tem horror a mesquinharias e raramente fala sobre dinheiro, especialmente à mesa. É uma pessoa leve, alto astral, que sempre acredita que as coisas vão melhorar. Prefere assuntos agradáveis e boas notícias, adora humanas e odeia matemática. Não procura problemas, evita conversas pessimistas, irrita-se com gente que fica falando o que ela não pode fazer. É do tipo que segue o coração, que afirma que pessoas são mais importantes do que coisas e para certos assuntos não se faz conta. É a alegria da festa e sempre topa um programa de última hora. Está sempre ligada no que realmente importa na vida e o dinheiro não compra – o lado espiritual e humano – nunca no material. Algumas decisões mais racionais ela vê como vender a alma ou ser uma pessoa fria. Orçamento prende, lucro é pecado, economistas são tensos, financistas são medrosos e economizar não resolve.

Corta para 20 anos depois. Na vida adulta, ela tem dependentes e contas para pagar, passou por crises financeiras e altos e baixos na carreira como a maioria de nós. Ela não quis administrar o dinheiro e hoje administra dívidas. Ela não planejou a aposentadoria e agora tem perspectiva de uma velhice difícil. É refém das contas que não gostava de fazer, é obrigada a calcular e recalcular cada passo. Os cortes no orçamento dos quais tanto fugiu a alcançaram e a obrigaram a escolher que contas não pagar, agora com menos liberdade. O dinheiro que desprezava é de “quem” ela muitas vezes passa dias correndo atrás. As pessoas a quem ela realmente valoriza foram prejudicadas direta ou indiretamente pelas suas dívidas. Os graves problemas financeiros abalaram os relacionamentos, o sono, a saúde, a reputação, autoestima e até a fé, por sentir-se culpada, revoltada e impotente ao mesmo tempo. Ironicamente, quem era tão leve e se alegrava com isso, hoje é uma pessoa pesada e tensa. Quem não queria prender-se a planos e limitações, hoje não consegue voar.

Ficção baseada em fatos reais, coisas que já vi e ouvi inúmeras vezes. Não dá para ser tão desligado de dinheiro assim, a não ser que você esteja disposto a largar tudo dos tempos atuais e da vida comum. Organize as finanças começando hoje!

Andréa Voûte

(imagem free de Jenelle Ball para Unsplash)

Extratos – essa leitura chata

Por favor, pelo bem de sua inteligência financeira, não pague contas sem saber, esteja consciente do que está sendo cobrado, especialmente dos débitos automáticos. Os lançamentos das suas contas correntes e de investimentos devem ser acompanhados de perto, no mínimo uma vez por semana e comparados aos seus controles. O mesmo vale para as faturas dos cartões de crédito, contas de telefone, energia elétrica, etc.

Fique atento ao que está acontecendo com o seu dinheiro, assuma o controle de suas finanças! Você como consumidor ao pagar contas deveria saber a que elas se referem. E você como empresário ao receber em cartão deveria acompanhar os extratos de sua maquininha porque ali já vi muito prejuízo e até erros. No banco, uma assinatura pode ser renovada automaticamente sem o seu conhecimento. No telefone, você não usa a metade do plano que é superdimensionado para você, mas quando ligam para te oferecer um maior ainda você aceita porque o desconto era bom.

Os extratos trazem abreviações e termos técnicos que desconhecemos, ou pior, temos a impressão que sabemos o que quer dizer, mas é um engano. Se você não entendeu a descrição pergunte e, se determinado lançamento lhe pareceu estranho, procure saber exatamente o que é. Eu já presenciei vários casos de débitos que não deveriam ter acontecido, serviços que não foram contratados e tarifas que foram cobradas indevidamente por meses seguidos! Sim, enganos acontecem e má fé também, aproveitando-se da distração ou comodismo do cliente… Se pagou o que não devia, peça reembolso.

Às vezes um cidadão correto contrai dívidas por ignorar suas obrigações. Por ex. se você tiver uma empresa, seu contador precisa estar muitíssimo bem informado sobre os tributos ou você pode acumular dívidas com o governo e levar um susto de repente. Nomenclaturas estranhas como “recolher” e “reter” um imposto, tantas siglas que mais parecem uma sopa de letrinhas e uma legislação mutante dificultam manter as contas em dia. Fale de vez em quando com o contador, acompanhe notícias e visite os sites do governo para saber mais.

E não se trata só de detectar problemas e investigar fraudes ou abusos. Os documentos aqui citados trazem um pouco do seu histórico: por onde você andou, de quem, quando, como e quanto recebeu, a evolução de seu saldo no decorrer do mês e vários outros números importantes para a consciência da sua saúde financeira e das tendências estabelecidas. A partir deles você monta índices e gráficos que te ajudam a decidir melhor.

Isso talvez seja um ótimo estímulo ao minimalismo nas contas e cartões, reduzindo a complexidade de extratos a acompanhar.

Andréa Voûte

Exame de consciência

Antes de tudo, vamos esclarecer que não vim para nos carregar com o peso da culpa, nem nos entristecer com a dor do arrependimento ou nos revoltar com a fraqueza humana. Também não são perguntas aleatórias ou todas as perguntas mais importantes. Este é um exercício de aprendizado e aperfeiçoamento para melhorar de vida com ações e atitude.

A cada resposta que te incomoda pergunte-se COMO COMEÇAR A MUDAR ISSO JÁ e a cada resposta que te deixa feliz, COMEMORE E CONTINUE ASSIM! A ideia é que daqui a um ano você esteja mais consciente, satisfeito e realizado.

Neste ano:

Quanto dinheiro entrou e saiu de minhas contas?

Usei bem o meu dinheiro? Sei para onde ele foi e isso combina com o que é importante para mim?

Empobreci ou enriqueci?

Que bens valorizaram e que bens sofreram depreciação?

Quantas dívidas quitei e quantas adquiri ao longo do ano?

Consegui cumprir todos os compromissos financeiros que assumi?

O que me estimulou a ser perseverante e responsável com o dinheiro?

Quanto durou o meu prazer em cada compra por impulso?

Nas ocasiões em que deixei-me levar pelos vícios, quanto custou isso?

Fui intolerante com os gastadores? Ou com os avarentos?

Me alegrei com o sucesso de quem? Tive compaixão diante dos problemas alheios?

Manipulei em minhas negociações e relacionamentos para “vencer”?

O que estudei, aprendi e me aperfeiçoei neste ano sobre finanças?

Quantas vezes persegui os atalhos, o caminho mais fácil e rápido?

Consegui poupar e investir de acordo com meus planos e necessidades?

Fiquei alardeando meus sucessos financeiros ou a fortuna que gastei?

Quem me ajudou a prosperar? E quem me prejudicou financeiramente?

Coloquei a aparência em primeiro lugar gastando demais com ela?

Com quem eu compartilhei riquezas e conhecimento, a quem socorri ou em quem investi?

O que fiz para manter minha vida financeira minimamente organizada?

Em que situações me perdi nos detalhes e na rigidez do perfeccionismo?

Que oportunidades de negócio consegui aproveitar e o que perdi por hesitar demais?

Fiquei financeiramente mais independente ou mais dependente?

Mantive uma coerência e estabilidade emocional na maior parte dos meus dias? Como isso afetou minhas finanças?

Tratei com respeito quem me deve ou trabalha para mim?

Soube vender e cobrar sem chantagens e mentiras?

Uso bem o poder? Como me comportei quando fui contrariado/a?

Julguei alguém pela aparência e depois soube que me enganei?

Acabei comprometendo minha segurança e dignidade por causa da carência excessiva?

Deixei-me seduzir pelos apelos do consumo?

Troquei de celular, carro ou decoração sem necessidade?

Se no mundo houvesse mais pessoas que lidam com o dinheiro da mesma maneira que eu, o mundo seria melhor ou pior?

Faça balanços como este de vez em quando, reflita e escolha algumas ações para começar bem o próximo ano.

Andréa Voûte

imagem free de Martin Sanchez para Unsplash

Equilíbrio do equilíbrio

Eu considero as palavras “tudo”, “nada”, “nunca” e “sempre” pesadas, da mesma forma que fica estranho colocar “meio”, “talvez” ou “mais ou menos” em todas as frases. Muitas pessoas acreditam ser importante ter equilíbrio em tudo, mas vamos pensar como seria o equilíbrio do equilíbrio. Soou desequilibrado para você?

Se eu pegar um sonho e transformá-lo em meta, focando meus recursos nela, há grandes possibilidades de ele ser atingindo. Dedicação e persistência são qualidades que ajudam a realizar coisas e isso costuma trazer muitos benefícios. No entanto, algumas situações exigem um desvio, uma adaptação, um momento multitarefa. A meta pode tornar-se impossível ou inadequada. De qualquer forma, toda experiência é válida.

Neste mundo competitivo, fazer as coisas pela metade pode causar muitas perdas e muitos danos. Trabalhar em algo que não sabemos fazer, por exemplo, toma um tempo enorme e gastamos muita energia para obter um resultado que, com certeza, será medíocre e, quem sabe, poderá até nos custar o emprego. Há certos tipos de trabalho em que não podemos errar e tudo precisa ser perfeito ou é melhor nem começar.

Da mesma forma, relacionamentos superficiais ou frios podem causar mais brigas do que alegrias, mais traições do que lealdade e mais obrigações do que prazeres. Algumas situações de relacionamento pedem entrega e amor incondicional, outras pedem respeito e moderação e há as que pedem distância e rupturas. E isso nem sempre está sob controle.

Ser sério, sem dúvida, é muito importante, mas há também os momentos em que podemos relaxar um pouco para que as preocupações não se tornem neuroses. A rigidez constante faz tão mal quanto a irresponsabilidade.

Ter fé aumenta nossa qualidade de vida, se comparada à vida de alguém totalmente incrédulo, desde que essa fé não ultrapasse a linha do fanatismo. O concreto e o cientificamente comprovado são fundamentais para o mundo.

Gastar e consumir, nem demais nem de menos. Ambição na medida certa. Risco do tamanho da sua tolerância. Generosidade sem facilitar abusos. Precisamos prestar atenção em nosso comportamento financeiro, testando e buscando.

Portanto, “equilíbrio do equilíbrio” é saber dosar as coisas, sejam elas quais forem, de acordo com você e com a situação que se apresenta. Alguns chamam de equilíbrio a alternância entre um extremo e outro, alguns escolhem sempre o meio, sendo radicais na moderação…

Para certas coisas eu sou radical assumida, em outras tenho equilíbrio e o maior desafio é lutar contra o desequilíbrio, quando acontece o extremo no momento que deveria ser ameno e vice-versa.

foto de Ruslan Z H para Unsplash

Andréa Voûte

Dinheiro é sujo

É verdade que as moedas e principalmente as cédulas de dinheiro são sujas, literalmente falando, mas percebo que a sujeira do dinheiro recebe uma atenção exagerada em relação a outras coisas igualmente ou mais contaminadas.

Tudo em que pegamos, especialmente na rua, vai juntando sujeira e deve receber uma limpeza regularmente… Há frequentes pesquisas alertando para os campeões da sujeira: corrimão, maçaneta, teclado e mouse, celular, volante e câmbio de carro, carrinho de supermercado, entre outros. Raramente se limpa esses objetos ou diz: eca, fechou a porta e agora está comendo com esta mão suja! E é muito comum ver alguém comendo no carro, ônibus, metrô, ou deixando o celular em cima da mesa do restaurante.

Essa noção de que dinheiro é fisicamente sujo não contribui em nada para nossa inteligência financeira, ela pode transcender a parte biológica e se impregnar como uma má impressão. É verdade que não é saudável beijar dinheiro, dormir ou tomar banho com ele, guardar junto ao corpo, como vemos em cenas de filmes… Só quero lembrar que dinheiro é importante, deve ser respeitado, valorizado, bem gasto e bem investido. Não precisa idolatrá-lo, colocá-lo em primeiro lugar ou usá-lo como instrumento de poder, mas enxergar o dinheiro como uma imundice não ajuda a sua inteligência financeira.

Ele pode conter germes, mas também pode conter uma possibilidade de realizar algum sonho. Ele pode estar meio rasgado e ainda assim servir para comprar coisas de que necessitamos. Ele pode passar de mão em mão, mas ele foi feito para circular e ser movimentado. A história de cada moeda poderia dar um interessante filme, com muitas vidas envolvidas. Um determinado valor pode ter chegado às mãos de um bandido como fruto de caminhos desonestos e pode ser usado em seguida para pagar uma conta comum de um serviço “limpo”. Em termos de ética, mesmo o chamado “dinheiro sujo” não é realmente sujo, suja é a atitude de quem praticou a corrupção, a contravenção. O dinheiro é somente um meio, um veículo neutro.

Lavar as mãos e limpar os objetos em que elas tocam não é suficiente? Por que ter mais nojo da sujeira do dinheiro do que das outras coisas? Porque o dinheiro seria assunto proibido nas refeições? Isso pode vir de alguns preconceitos que nem sempre fazem sentido. A noção de que lucro é palavrão, acumular é sempre pecado, ter ambição é errado, vender é trabalho sujo, economizar é coisa de gente mesquinha, investir é só para milionários. Mas o trabalho é nobre e comprar é maravilhoso… Pense no que faz a combinação dessas crenças.

Andréa Voûte

Nem tudo o que é barato é ruim

Por um momento vamos deixar de lado o preconceito e voltar nossa atenção às coisas baratas. Nem tudo o que tem um preço menor do que o normal do mercado é ilegal ou de baixa qualidade. Se teimarmos em ficar fechados neste conceito, várias oportunidades de bons negócios serão perdidas.

Alguém desesperado para vender, porque precisa desovar o estoque, ou usar o dinheiro para outra coisa, ou ainda por estratégia comercial para ganhar mercado e conquistar novos clientes, é alguém que abaixa o preço.

Os usados também podem ser muito adequados a uma situação em que você não precisa do produto novíssimo. Basta um pouco de tempo e paciência para pesquisar e verá quantos bons objetos podem ser comprados pela metade do preço. A família que está vendendo tudo porque precisa mudar-se tem ótimos móveis, eletrodomésticos e às vezes um lindo pet esperando ser adotado. A pessoa que mudou de peso ou de estilo de vida tem roupas, bicicleta, prancha. As feiras de trocas são ricas em livros e brinquedos interessantes. Os leilões oferecem imóveis a preços muito convidativos.

Pesquisar antes de comprar vale para tudo, certo? Então aí vai uma dica: sites de vendas diretas entre pessoas tem uma incrível variedade de produtos – novos e usados – além dos tradicionais classificados nos jornais. Depois de tomar um banho de informações, você estará mais preparado para uma boa compra.

Veja quantas dicas práticas nas seções #BB (Bom e Barato), #OBQSC (O Barato Que Sai Caro), #NVQC (Não Vale Quanto Custa) e #VCC (Vale Cada Centavo) da Voute Contar no Facebook e Instagram. Assim poderá repensar suas escolhas e tentar novas experiências de compra, dando valor ao seu tempo e dinheiro. Você já sabe também que nem tudo o que é caro é bom.

No lazer também há muitas opções para situações de escassez financeira. Parques, museus, shows, praia, esportes, saraus, reuniões de amigos ou familiares, programinhas românticos. Eventos em que você usa a criatividade para a decoração e as atividades podem ser muito divertidos. Nem só de shopping centers, festas cinematográficas e baladas pirotécnicas vive o lazer.

Cuidado, depois de seguir estas recomendações, é possível que você seja contagiado e comece a pensar em trocar, vender ou doar aqueles objetos e bens sem uso… Afinal, que desperdício deixar as coisas mofando e empoeirando quando podiam ter um fim útil para outra pessoa. Que desperdício pagar caro em uma coisa sem necessidade em vez de fazer melhor uso do dinheiro!

Andréa Voûte
foto de Frank McKenna para Unsplash

Para onde os seus impulsos estão te levando?

Adiar a gratificação é um dos segredos do sucesso, comprovado por um famoso estudo da universidade Stanford com crianças de 4 anos: elas ficaram sozinhas em uma sala com um marshmallow, sabendo que se conseguissem esperar 15 minutos para comê-lo, ganhariam mais um e depois poderiam comer os dois. Apenas 1/3 das crianças resistiu à tentação e elas obtiveram 100% de retorno pelo sacrifício de esperar 15 minutos, ou seja, “patrimônio” dobrado. Quando foram verificar a vida dessas crianças quinze anos depois, todas estavam melhor nos estudos e na vida em geral, enquanto os outros jovens eram problemáticos. Ter a paciência de esperar e a disciplina de pensar mais no resultado do que no prazer imediato impacta o futuro mais do que QI e mais do que nível socioeconômico dos seus pais.

Ser impulsivo e inconsequente custa caro. Muitos dos piores gastos dos quais nos arrependemos são decididos nos primeiros segundos e os vendedores sabem disto. Espere pelo menos 24 horas para gastar, observe se a motivação é o medo de não ter aquilo de novo ou o prazer da compra em si, pense se você pode pagar. Cuidado com o impulso de levar vantagem, mentir ou assumir um compromisso que já sabe que não conseguirá cumprir. Cultive a compaixão para não explorar o outro e desenvolva a esperteza para evitar ser enganado. Escolha bem o conteúdo que você lê e assiste, seja seletivo em suas companhias e no lazer.

Alguns negócios desastrosos que quebram uma empresa são fechados no calor do momento e bons negócios são recusados sem pensar direito. É só olhar à nossa volta para constatar que ter objetivos, planejar e executar corretamente dá resultado positivo nas finanças. Projetos bem-sucedidos e negócios de sucesso demandam planejamento sério, competência, muito trabalho, preparação, investimento de dinheiro e tempo para dar lucro. E o sucesso traz prazer também, mais sólido e duradouro; depois que você se supera sente-se muito bem. O prazer imediato é infantil e egoísta, enquanto a felicidade é generosa.

Ser atropelado pelos fatos e reagir a eles é bem diferente de agir e conduzir os acontecimentos. Falar e agir sem pensar costuma trazer problemas na esfera pessoal, acadêmica ou profissional, e afeta especialmente os relacionamentos. Prevenir-se contra imprevistos desfavoráveis tranquiliza e eles serão absorvidos naturalmente. Preparar-se para boas surpresas nos torna aptos a aproveitar melhor as oportunidades quando elas surgirem. Precisamos da inteligência emocional e do autocontrole e isso não quer dizer reprimir as emoções.

Perdeu dinheiro? Estude como recuperá-lo. Perdeu o controle? Retome e não prolongue a bagunça. Só não podemos exagerar e passar todo o tempo planejando, é preciso agir e colocar em prática o que foi planejado. A função maior do planejamento é saber qual a coisa certa a fazer, quando, como e onde. Se não houver ação, ele perdeu a finalidade. Se você se perder nos detalhes, talvez não dê tempo de executar — atualmente tudo acontece muito rápido. Tornar-se obcecado por controle não é saudável e nem realista. Resista aos impulsos, mas saiba diferenciá-los de uma intuição, um instinto verdadeiro. Viva bem o presente, lembrando-se de considerar o futuro.

Andréa Voûte

foto de Tommaso Fornoni para Unsplash

A oscilação dos preços: expectativa x realidade

Temos informação abundante disponível, não precisamos mais nos iludir com falsas esperanças nem nos revoltar com aparentes injustiças. Eu me fiz as seguintes perguntas e respondi “não” a todas elas, espero que você tenha alguma experiência diferente:

Boutique que foi fazer compras no atacado e ganhou um bom desconto repassa este desconto integralmente e imediatamente aos seus clientes liquidando as novas peças?

Lanchonetes e restaurantes que pagaram menos pelos seus ingredientes neste mês mudam todo o cardápio abaixando os preços assim que começarem a usar o novo estoque?

Comércio que acabou de renegociar os prazos de pagamento para o fabricante estende os seus prazos de vendas na mesma proporção?

Um dos mais polêmicos talvez seja o combustível. O petróleo é uma commodity, portanto seu preço oscila o tempo todo conforme o mercado internacional. A Petrobras explora o petróleo e nas refinarias faz gasolina e o diesel para vender às distribuidoras. As distribuidoras (Ipiranga, BR, etc) misturam etanol na gasolina e biodiesel no diesel para vender aos postos, que os revendem ao consumidor final. Quando o preço do petróleo cai, nem as distribuidoras nem os postos são obrigados a repassar o desconto, porém os consumidores esperam isso. Pode ser que naquele momento tenha havido um aumento de impostos ou do álcool, um dissídio, um novo risco, enfim, algo que anule parte da baixa do petróleo.

Da mesma forma, nem tudo que deveria acompanhar a taxa de juros e a inflação realmente o fazem, fique atento. Lembre-se da autonomia financeira, você ainda é a melhor pessoa para cuidar do seu próprio dinheiro. Os índices de preço medem a inflação, o aumento de preços dentro de um período específico, verificando a média do preço de determinados produtos e serviços. Então se o seu investimento não cobre nem esse índice, você deixou de ganhar rendimento real e pode ter perdido poder de compra. A Selic é a taxa básica de juros do mercado financeiro, usada como referência para várias outras taxas – juros do crédito por exemplo. Assim, os custos dos empréstimos, cheque especial e financiamentos deveriam cair quando ela cai.

Investimentos

Observe a Caderneta de Poupança, a taxa de juros Selic e o índice de inflação IPCA, que mede preços do Brasil todo para até 40 salários mínimos de renda. A inflação varia bastante, enquanto a Caderneta de Poupança é estável e a Selic tem variado um pouco mais ultimamente. Desde 2010, a Caderneta de Poupança esteve mais vezes abaixo da inflação e por mais tempo do que a Selic. Sabendo que a maioria dos investimentos de Renda Fixa realmente acompanha a Selic de perto, note que a sua linha (escura) está o tempo todo acima da Caderneta de Poupança.

 

Crédito

A taxa de juros média geral para pessoa física apresentou reduções neste ano, fechou julho/2017 com 7,58% ao mês. A taxa de juros média geral para pessoa jurídica também foi reduzida para 4,45% ao mês em julho/2017. Mas continuamos campeões do mundo em juros. Todo o crédito adotou prazos maiores – empréstimos, financiamentos e crediários tem mais parcelas agora. Maior queda nas lojas e veículos e menor queda no cheque especial e cartão de crédito. Os crediários mais caros são de artigos do lar e decoração e os mais baratos são de veículos. Muitas pessoas estão indignadas com tantos aumentos de preços e agressividade nas cobranças em plena crise. Agora analise calmamente o gráfico abaixo e veja se os juros do crédito abaixam na mesma medida quando Selic e inflação caem.  Aqui está a prova de que ao usar o seu cheque especial você paga no mínimo 10 vezes mais do que ao receber juros do seu investimento.

Andréa Voûte

Fontes: Portal Brasil | ANEFAC | Banco Central do Brasil | Fundação Procon SP

Com orçamento se vai mais longe

Tenho orçamento pessoal desde meus primeiros salários. Depois de tanto tempo, eu acabei desenvolvendo algumas noções básicas – o famoso bom-senso – e poderia até dispensar o uso desta ferramenta sem grandes prejuízos.

Então para que eu continuo alimentando aqueles controles, registrando despesa e receita? É porque gosto do resultado, de conhecer a minha real situação material, de observar os meus bons e maus hábitos financeiros e acompanhar a evolução do patrimônio. Consciência mesmo quando dolorida é importante, gosto de ter base para traçar metas para o meu futuro, enfim, de ter um controle nas mãos, até onde isto é possível.

Quem não conhece o método normalmente receia ficar preso a restrições e continhas chatas. É, não vou negar que você pode perder-se nos detalhes e isso tomaria tempo. Então, a norma é simplificar ao máximo. Faça um favor a você mesmo, aproveite e dê alguns passos na direção de sua independência financeira – reduza o número de contas correntes, de cartões de crédito, parcelas, cheques pré-datados e tudo o que complica e confunde.

Existem várias maneiras de se elaborar e seguir um orçamento, truques e atitudes que o tornam ainda mais eficaz. Curiosidade: após alguns anos, me dei alguns luxos, como por exemplo, incluir uma categoria de despesas que pode ser “torrada” em qualquer coisa e, acreditem, às vezes eu prefiro poupá-la!

Não é para qualquer um, os primeiros meses exigem coragem… Eu olharei de frente para o fluxo meu dinheiro – de onde vem, para onde vai e conhecer quem sou eu financeiramente. Sem o orçamento, pensamos que sabemos, mas a maioria de nós se ilude muito. Sem ele, o planejamento será menos sólido e provavelmente otimista demais. Busque esta coragem e entre em ação.

O resultado vale muito à pena, ou as empresas e os projetos de sucesso não teriam orçamento!
Andréa Voûte

Autonomia na saúde

Cada vez mais percebo a diferença gritante entre cuidar da saúde e cuidar da doença e o quanto é prejudicial confundir os dois. Podemos observar mais, conhecer o nosso corpo e adquirir consciência e autoconfiança. Uma das pessoas que sabe mostrar isso é a pediatra de Brasília Thelma B. Oliveira, entrevistada aqui.

Sabemos dos inúmeros benefícios dos avanços da medicina, só não podemos ignorar que a higiene e o saneamento básico, a informação e a tecnologia também contribuem para a nossa saúde. Não vale por preguiça abusar dos medicamentos e cirurgias; não podemos sucumbir ao medo ignorando os efeitos colaterais do Raio-X e do antibiótico; não temos o direito de, em nome do consumismo, esgotar todos os recursos e poluir como se não houvesse amanhã; não devemos afundar nos vícios ou nos afastar tanto do que é natural e humano.

O dinheiro do indivíduo e da nação não garante saúde, bons profissionais e longevidade como gostaríamos, mas a pobreza não ajuda em nada a termos um desenvolvimento físico e mental adequado, um estilo de vida saudável e um bom tratamento com algum conforto quando precisarmos.

De que e de quem somos mais dependentes? 

Somos dependentes de opiniões diversas, que hoje brotam de todos os lados, com intenção de nos apavorar ou de forçar a venda de produtos diversos para ‘sua saúde’. O exemplo mais clássico são as ‘vitaminas’ – palavra mágica que para a maioria dos mortais significa ‘saúde’; com isso, além da campeã vitamina C ‘para gripes e resfriados’, temos os mais diversos tipos, com nomes apelativos: pluri, multi, dirigidas a segmentos específicos: mulheres, crianças, homens, idosos etc.

Quais as consequências dessa dependência? 

Gastos enormes com retorno insignificante.

Por onde começar nossa autonomia em relação à saúde?

Deveríamos dispor de informação de qualidade, tipo as do dr. Dráuzio Varella e outros de menor repercussão; nós mesmos, hoje, temos acesso a vários canais de informação, é só rastrear os mais confiáveis; verdade é que ‘saúde’ não se encontra em farmácias, mas na qualidade de vida.

Quais são os conhecimentos básicos que devemos buscar e onde?

Procurar saber o que convém a cada faixa etária em matéria de atitudes e posturas existenciais, não de medicamentos.

O que podemos mudar para sermos mais livres e saudáveis?

A seguir, a relação das situações da vida comum, que podemos sempre melhorar:

1) dormir bem – ou seja, repousar de verdade, na obscuridade completa, sem leds, sem celular à mão; SP inaugurou um Hotel do Sono, para ensinar a dormir melhor.

2) tomar um bom café da manhã, com pão, manteiga, café ou chá, com ou sem leite, mas com alguma proteína e frutas; escolares que não costumam fazer um breakfast adequado terão dor de cabeça no meio da manhã, por hipoglicemia; ainda mais se fizerem alguma atividade física.

3) almoço moderado, como nossos grãos de arroz e feijão (ou similares) + legumes cozidos com ou sem carnes, segundo nossos hábitos; quem puder, vale comer peixe uma a duas vezes por semana, pois os pescados e ovos fornecem ômega3/6, tão necessários ao cérebro.

4) lanche da tarde, similar ao da manhã, sempre com frutas + um tipo de proteína.

5) jantar: pode ser uma sopa, caldo de legumes com/sem frango desfiado + legumes.

6) pequena ceia antes de ir dormir, que pode ser um iogurte.

7) evitar trânsito pesado e ônibus / metrô muito cheios para ir ao trabalho.

8) ao chegar no local de trabalho, organizar sua mesa, conversar com as pessoas, dar e pedir notícias, evitar fofocas; caminhar a cada uma ou duas horas, mesmo que por 10 minutos; Google está adotando o trabalho de pé, para melhorar a flexibilidade e o funcionamento cardíaco

9) fim da tarde: relax com música ou ginástica leve; evitar streaming, pois ninguém precisa de música e filmes o tempo todo

10) fazer pequenas atividades ao computador, mas ao se deitar, desconectar-se das telas!

O que você considera o maior desperdício de tempo nos cuidados com a saúde?

Fazer exames de rotina, principalmente em crianças; elas não precisam de check-up, a não ser em casos especiais e não por simples modismo; outro: frequentar clínicas com diversos especialistas, procurando algum ‘mal secreto’, mesmo sem sintoma algum. Existe uma vocação à hipocondria na população, de maneira geral. Isso se vê claramente com o número crescente de farmácias. É dos ramos que não entram em crise.

Quais são os procedimentos ou medicamentos em que desperdiçamos mais dinheiro?

Vitaminas do tipo ‘complexos vitamínicos’, que são pobres em cada tipo de ‘vitaminas’ ou ‘sais minerais’, de preço alto e sem eficácia alguma.

Em que momentos devemos realmente procurar os especialistas?

Há idades para procurar especialistas: após os 40 anos para exame de mama e próstata, primeiro check-up cardiológico e um exame clínico geral.

O que fazer diante de um orçamento apertado, sem plano de saúde e reserva de emergência?

Valer-se do SUS/ medicina da família, que faz acompanhamento básico da PA e eventualmente um hemograma; na maior parte do tempo, não necessitamos de especialistas nem de aparelhos de ‘última geração’.

O que a Sra. considera bons investimentos em saúde?

1) evitar cigarro e alto consumo de álcool.

2) evitar possuir / trocar carro e outros bens dispensáveis; adquirimos modelos novos de celular, que não nos trazem alegria e servem para aumentar a sucata ambiental.

3) beber bastante água durante o dia.

4) evitar o sedentarismo.

5) procurar dormir bem e alimentar-se bem, sem grandes restrições, mas reduzindo bastante o consumo de sal, farinhas e açúcar.

Resumindo os fatores da vida moderna que afetam a saúde: estresse no trânsito, dormir pouco e alimentação precária. Nossas crianças estão cada vez mais cativas de condomínios; não conhecem parques nem as ruas; pais/mães devem ter algum tempo para atividades junto à natureza, pois tudo que a criança aprende é através do uso de seu corpo no espaço: equilíbrio, firmeza, destreza, imunidade, resistência física e emocional, respeito à natureza, alegria de brincar com os irmãos ou com outras crianças, sem os apelos ao consumismo dos shoppings.